Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas do Whisky

Portuguese Finest

Portugal perdeu contra o Uruguai, porque, jogou bem

Podem dizer que é teoria do conluio, mas, para mim, Portugal só perdeu o jogo contra o Uruguai, porque, jogou bem demais para aquilo que nos habituou a ver.

Não me recordo de nenhum jogo no Campeonato Europeu em que Portugal tenha realizado uma exibição de encher o olho. O mesmo se passou com os grupos do Mundial. Em nenhum jogo Portugal teve uma pagela em que se possa dizer que ali estava o melhor do mundo e a seleção campeã da Europa.

Por isso, o dilema de Portugal é que perde por jogar bem demais. É um pouco à semelhança da laracha em que o condutor só conduzia bem quando estava embriagado. Assim é a seleção, só ganha jogos quando está a jogar insuficientemente e a fazer sofrer os portugueses.

Como muitos treinadores de futebol vieram a público dizer, não é a melhor formação em campo que ganha os jogos, mas, a que marca golos. E foi o que o Uruguai fez. Não fez nenhuma exibição por aí além, mas, das poucas vezes que rematou à baliza, fez dois golos. Portugal, precisou de vários remates para que uma bola entrasse.

Eu sei que as pessoas se deleitam em ver grandes jogos de futebol e muitos golos, mas, ao que parece, a récipe para se ganhar campeonatos com as seleções, não passa por ser a melhor seleção a praticar o melhor futebol. Apenas precisa que tenha dois ou três avançados que consigam colocar a bola dentro da baliza. De resto, basta que fiquem bem organizados a defender de forma a que quem corre com a bola tenha de trabalhar para encontrar espaços.

Não estou de forma alguma a dizer que não temos valores na seleção. Temos, mas, malogram-se como qualquer outro.

Outra das coisas que achei estar mal na seleção foi uma “fé cega” no Cristiano Ronaldo. Não duvido que ele é o melhor do mundo e que é capaz de fazer a diferença num jogo. Viu-se contra a Espanha. O que não pode acontecer é a seleção depender dele para jogar à bola. Isso faz com que ele não seja substituído, mesmo que fosse necessário o fazer. A prova de que Portugal pode ganhar sem Ronaldo em campo é da final com França.

Será que podemos falar em fadário para Portugal? Não podemos, porque, não foi o caso. Portugal teve falta de eficácia e discernimento para dar o melhor seguimento a algumas jogadas.

Ao que parece, os Simpsons não acertaram na presciência da final de Portugal México. Nem a lontra russa. Quis o destino que não fosse desta vez que Portugal fosse campeão do mundo. E não é por isso que devemos de deixar de ter orgulho nos nossos jogadores. Infelizmente, jogar bem para Portugal é um paradoxo ao sucesso.